São Francisco do Sul, o que fazer na cidade mais antiga de Santa Catarina

0
172

São Francisco do Sul, em Santa Catarina, é uma simpática cidade do Litoral norte do estado, que repousa tranquila às margens da Baía Babitonga. Colonizada por portugueses, é considerada a cidade mais antiga do estado e a terceira mais antiga do Brasil. Está distante cerca de 200 km da capital, Florianópolis, a 50 km de Joinville e a 160 km de Blumenau. Para quem vem de mais longe, tem a facilidade dos Aeroportos de Joinville e Navegantes. Ou seja, uma cidade boa para visitar em um final de semana!

Baía Babitonga vista do deck do Mercado Público. É a maior baía navegável de Santa Catarina e está composta por 24 ilhas em sua extensão.

Fazia tempo eu estava querendo conhecer São Chico, como é chamada carinhosamente pelos moradores, pois nas minhas pesquisas achei uma graça o casario colonial, com mais de 400 imóveis tombados, desde 1987, pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

Ruas de pedra e casarões do início dos anos 1900, na Praia do Mota

Fundada em 1641, seu primeiro nome era Nossa Senhora da Graça do Rio São Francisco. Mas sua colonização mesmo se deu a partir de 1658, com a chegada do português Manoel Lourenço de Andrade com toda sua família, seus escravos, animais e equipamentos necessários ao desenvolvimento da agricultura. Só que a sua história tem início bem antes, por volta de 1504, quando o navegador francês Binot Palmier de Gonneville aportou na região, depois de sofrer com uma forte tempestade durante sua jornada a caminho das índias.

O certo é que, com mais de 500 anos (513 para ser exata) a ilha de São Francisco do Sul foi sendo moldada pela diversidade cultural dos povos que a colonizaram, marcando fortemente suas tradições através de costumes e festas. E que também ajudaram a desenvolve-la. São Francisco tem o maior porto catarinense e o quinto maior do Brasil. Além disso seus atrativos naturais, que são muitos, deixam o visitante sempre surpreso! Suas praias de águas calmas, os passeios de barco pelas ilhas, a Mata Atlântica preservada e os restaurantes de frutos do mar, levam turistas durante o ano todo para a cidade.

Escultura de artista plástico Juarez Machado, em homenagem aos 500 anos de São Francisco do Sul

Passeando pelo Centro Histórico de São Chico


Ficamos um dia e meio por lá, durante o feriadão de 12 de outubro. Mas para um primeiro momento foi suficiente, pois a cidade não estava cheia e assim conseguimos conhecer quase todos os pontos turísticos com calma, sem muvuca!!! Para hospedagem escolhemos o Hotel Zibamba, que fica no Centro Histórico. Confesso que esperava mais do lugar. Não foi decepcionante, mas não foi aquela estadia tipo “uau nossa”! O bom do Hotel é sua localização privilegiada, entre a Rua Fernandes Dias e Rua Babitonga, e de frente para a Baía Babitonga, o que permite ao visitante fazer tudo andando. Por isso coloque um calçado confortável e bora caminhar, mas sempre atento aos detalhes que se abrem a cada passo!

Fachada do Hotel Zibamba, no Centro Histórico de São Francisco do Sul

Museu Nacional do Mar – Embarcações Brasileiras

Vamos começar nossa caminhada pelo Museu Nacional do Mar, que foi criado em 1991, com o objetivo de valorizar a diversidade do patrimônio naval brasileiro, reunindo exemplares de embarcações de todo país. O lugar é interessantíssimo e nos mostra a riqueza da nossa história naval contada através de 91 embarcações em tamanho natural e várias salas temáticas, divididas por regiões.

Exemplares de embarcações de todas as regiões brasileiras fazem parte do acervo do Museu Nacional do Mar

O Museu está instalado em 10 mil m², dos antigos galpões da Empresa Nacional de Navegação Hoepke, que foram totalmente restaurados para receber o rico acervo, vindo de várias partes do Brasil. A empresa foi fundada em 1895 pelo alemão Carl Hoepke, para fomentar as atividades portuárias na cidade, como o comércio de madeira e erva-mate. Sua construção é um salto na mudança de arquitetura da cidade, que deixa de construir casas coloniais e passa às construções em estilo eclético europeu.

Funcionamento do Museu Nacional do Mar: terça a sexta, das 9h às 17h30. Sábado, domingo e feriado: das 10h às 17h30. Ingressos: R$ 5,00. Meia-entrada: R$ 2,00. Crianças até 7 anos e adultos maiores de 60 anos: entrada gratuita. Endereço: Rua Manoel Lourenço de Andrade, 133 – Centro.

Mercado Público

Inaugurado em 1900, foi por muitos anos o principal ponto comercial da cidade. Construído em estilo eclético, possui quatro entradas e um vão central. Como bom mercado portuário, fica ao lado de um atracadouro, onde antigamente as embarcações que chegavam com peixes e outras mercadorias, descarregavam. Hoje abriga algumas lojinhas de artesanato, uma barbearia e um restaurante. Além de uma peixaria. Diria que o prédio carece de uma manutenção e pintura, mas ainda assim guarda seu charme, mesmo sendo um senhor centenário.

Mercado visto a partir do terraço do Hotel Zibamba.

Igreja Matriz de Nossa Senhora da Graça e Museu de Arte Sacra

Primeira capela religiosa de Santa Catarina, completou 352 anos agora em 2017. Conta a história que navegadores espanhóis que iam rumo ao Rio da Prata, em 1553, foram surpreendidos por uma tempestade assustadora no meio do caminho. Os tripulantes então se colocaram diante da imagem de Nossa Senhora da Graça, que traziam consigo no navio, pedindo a Santa que os livrasse do pior. Em retribuição prometeram que na primeira parada que fizessem, construiriam uma capela para ela. E assim, aconteceu! Depois de alguns dias, quando avistaram terra firme, atracaram e ali ergueram a capelinha, em homenagem a Santinha que os havia livrado dos infortúnios da tempestade. As terras em questão eram São Francisco do Sul, onde deixaram a imagem da Santa, que até hoje esta exposta no altar da Igreja!

Em 1665 a capela, em estilo veneziano, foi ampliada e totalmente reformada, o que contribuiu para que a Vila fosse elevada a categoria de paróquia. Na obra, realizada pelos próprios moradores com a ajuda dos escravos, foi utilizada argamassa com uma mistura de cal, conchas, areia e óleo de baleia. Depois disso muitas reformas foram feitas. Atualmente a comunidade está em uma campanha para angariar fundos para uma nova reforma de sua estrutura e restauração do altar.

A Igreja Matriz de Nossa Senhora da Graça, fica na Praça Getúlio Vargas.

Um dos lugares muito bacanas no centro, é a Rua Dr. Luís Gualberto. Uma ladeirinha, de calçamento de pedra, rodeada de casas coloniais e de onde se avista a torre da Igreja Matriz e do outro lado, se chega ao Mercado Público. Prepare a máquina, celular o que for, pois o ponto rende ótimas imagens!!

Anexo a Igreja fica o Museu de Arte Sacra – Padre Antônio Manuel da Nóbrega. Inaugurado em 2013, tem cerca de 800 peças em seu acervo, e está voltado ao estudo, pesquisa e preservação de objetos de arte sacra.

Funcionamento do Museu de Arte Sacra: terça a sexta, das 9h às 17h30. Sábado, domingo e feriados, das 14h às 17h30. Ingressos: R$ 3,00. Acima de 60 anos: grátis. Endereço Praça Getúlio Vargas, 130 – Centro.

Prefeitura Municipal e Cine Teatro X de Novembro

Bem em frente a Igreja Matriz está o prédio onde fica a Prefeitura, da década de 1950, e que também faz parte do roteiro cultural da cidade. Atenção para o detalhe do balcão na lateral, de onde eram feitos os discursos das autoridades. Achei pomposo!

Também dos anos 1950, o Cine Teatro X de Novembro hoje faz parte da Fundação Cultural Ilha de São Francisco, que oferece várias oficinas de música e dança, além de funcionar ainda como uma sala de cinema, com capacidade para 445 pessoas. Quando vi os prédios me senti em um filme antigo!!!

Parque Ecológico do Morro do Hospício

Passando pelo Cine Teatro e seguindo em frente, chegamos ao Parque Ecológico Celso Amorim Salazar Pessoa, no Morro do Hospício. Ele fica pela rua dos fundos do Hotel Zibamba e para acessa-lo é preciso entrar pelo Centro de Atendimento ao Turista que tem ali. Inaugurado em 2013, possui uma área de 16 mil m², com 500 metros de caminhada acessível. Ao longo de sua subida encontramos mirantes para apreciar a vista da Baia Babitonga, do Centro Histórico e do Porto de São Francisco. Além da paisagem, os visitantes ainda podem observar os resquícios da capela São José, construída no século XVII e envolta em várias lendas!!! Eu não consegui ver, pois acho que ela estava meio escondida no matinho que cresceu ao redor.

Funcionamento do Parque: diariamente, das 9h às 18h. Entrada gratuita. Endereço
Rua Fernandes Dias, 69.

CAT e rampa de acesso para o Parque. Essa foto eu tirei da varanda do nosso quarto!!
Vista da Baía e do Centro Histórico, a partir do Mirante do Parque Ecológico.

Museu Histórico Prefeito José Schmidt

Conhecido como “Palácio da Praia do Motta”, a construção do prédio foi iniciada no final do século XIX e concluída em 1914. Ali já foi a Câmara de Vereadores e a Cadeia Pública.  O Museu foi restaurado e reinaugurado em 13 de dezembro de 1985. Como Cadeia Pública, abrigou presos revolucionários da Guerra do Contestado. Suas características originais foram mantidas, inclusive as celas, as grades e as janelas de ferro. O acervo do Museu é constituído de peças que contam a história da cidade, desde utensílios, vestuário, maquetes até documentos. Funcionamento: de terça a sexta-feira, das 8h às 18h. Sábados, domingos e feriados das 11h às 18h. Ingresso: R$3,00 adulto. R$2,00 estudantes e crianças de 12 a 16 anos. Gratuito para: crianças de até 12 anos, idosos a partir de 65 anos. Endereço: Rua Cel. Carvalho, 1 – Centro.

Posto Texaco

O prédio, de 1937, é o mais antigo posto de combustíveis de Santa Catarina e considerado o quinto mais antigo da rede Texaco no Brasil. Recebeu o nome de Posto Musse&Irmão e até hoje é administrado pela mesma família, fica no Largo Almirante Moraes Rego! Eu achei uma gracinha. E foi aquela surpresa gostosa, de estar caminhando e, de repente, dar de cara com uma preciosidade dessas. 😉

Largo Almirante Moraes Rego.

Andando em frente, chegamos a um recanto super bonitinho, a Praia do Mota. Com um trapiche para contemplação da Baía e rodeado de casarões antigos. Uma das construções, na Rua Mal. Floriano Peixoto, me chamou a atenção, por ser imponente e com uma vista linda para a praia, a antiga residência da Família Görresen, datada de 1873. Atualmente o prédio está à venda. Eu já fiquei imaginando ali um belo hotel ou mesmo um restaurante mais refinado.

A vista do Casarão Görresen, para a Baía e o Centro Histórico é linda.

Saindo do Centro Histórico, rumo às praias, passamos pelo Casarão da Família Rhinow, uma das mais belas edificações da cidade. Sem data definida para sua construção, apresenta forte estilo germânico e tem aproximadamente 400 m² de área construída. Chama a atenção para as palmeiras imperiais que formam uma alameda, que chega até a porta principal do casarão. Algumas pessoas da família ainda moram lá, mas senti um certo abandono em seu entorno. Uma pena. Eu sempre fico imaginando essas casas movimentadas, com festas de gala, pessoas rindo, crianças correndo no jardim!!!

Nosso destino era o Forte Marechal Luz, mas no caminho uma construção, com ares de hospital me chamou atenção e, claro, lá fomos nós subir um morro, para ver o que era!! Ao chegarmos lá, nos deparamos com o antigo prédio do Hospital de Caridade de São Francisco do Sul, fundado em 1859. Desde 2012 está abandonado e a mercê de vândalos e marginais, que usam o espaço para fazer de tudo. Mesmo carcomido é lindo e tem uma vista deslumbrante da Baía Babitonga.

Forte Marechal Luz

Por volta de 1822 os portugueses instalaram uma bateria de canhões no Morro João Dias, com o intuito de defender o litoral dos espanhóis, ingleses e franceses. Com a importância adquirida pelo Porto da cidade, para o restante do Brasil, pois ali chegavam cargas valiosas de madeira e erva-mate, afim de manter a região ainda mais segura, e 1909 obras para uma fortificação são iniciadas e em dezembro de 1915 o Forte Marechal Luz é inaugurado. Foi desativado em 1977 e em 1996 é aberto para visitação. Funcionamento: diariamente, das 8h às 17h. Ingressos: R$ 2,00. Menores de 12 anos e maiores de 60 anos estão isentos. Endereço: Estrada Geral Do Forte, s/n – Ubatuba.

Bateria de Canhões apontada para o mar!
Trincheiras do Forte Marechal Luz, de onde os militares ficavam de olho em possíveis navios inimigos!

E ai, gostaram do passeio? Isso foi só um aperitivo viu? Por que ainda tem as praias para conhecer, tem o Distrito do Sahí, a parte continental de São Francisco do Sul, onde fica a Vila da Glória e muito mais! Eu vou continuar contando mais da cidade, por isso fiquem de olho. Ou façam melhor, se agendem e visitem São Chico, tenho certeza de que irão adorar o passeio!


PLANEJE SUA VIAGEM

ALUGUEL DE CARROpesquise na RentCars os melhores preços, sem cobrança de IOF e pagamento em até 12x nos Cartões Visa e Mastercard.

SEGURO DE VIAGEMReal Seguro Viagem, em até 6x sem juros nos Cartões de Crédito.  

COMPRE SUA MOEDA ESTRANGEIRACotação Câmbio Turismo. Tendo a comodidade de poder retirar seu dinheiro nas lojas dos Aeroportos de Guarulhos, Congonhas, Porto Alegre, Curitiba e Florianópolis. 

DICAS DE HOSPEDAGEM: Procure no Booking e encontre as melhores ofertas! Ou compare o preço de seus hotel pelo Trivago.

INGRESSOS DE ATRAÇÕES, PASSEIOS, TRANSFER’S é com a TourOn.


**Gostou? Faça um comentário, inscreva-se para receber nossas dicas, curta a página! Cada que vez que você interage com o Casa de Doda, ele cresce e alcança mais viajantes. Obrigada!

*** O Casa de Doda é afiliado da TourOn, Real Seguro Viagem, RentCars, Cotação Câmbio, Booking.com, Trivago e recebe uma comissão pelas reservas feitas através dos links aqui no blog. O leitor não paga nada a mais ao fazer a sua reserva pelo nosso link. Apenas contribui para que o Casa de Doda siga dando boas dicas por aqui! Muito obrigada por nos prestigiar, fazendo suas reservas aqui pelo bloguinho!

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira seu comentário
Por favor coloque seu nome aqui